Esqueleto Tourist Hotel- Hotel abandonado em São Conrado/Gávea

88862254

Secreto, mas não tão secreto assim!

A história

Apelidado de Esqueleto Tourist Hotel, o Gávea Tourist Hotel foi projetado pelo arquiteto Décio da Silva Pacheco, contendo 22 mil metros quadrados de área, que seriam contemplados com tudo que um bom hotel pode  ter dentre restaurante, bosque e até teleférico.

Localizado com vista privilegiada do mar de São Conrado e as montanhas, tendo vista para a Pedra da Gávea, seu lançamento foi em 1953 (mais antigo que minha mãe gente!). Cotas do empreendimento foram vendidas, houve até um réveillon em 1965. E chegou a funcionar uma boate no térreo, chamada Sky Terrace.

Porém, as obras se estenderam mais do que deviam e em 1977 a construtora faliu.

Em 2011 o hotel e toda sua área foi vendida por 29 milhões. Mas até agora, continua abandonado.

“O que era para ser um sonho virou um pesadelo” Será? Não acho! Que me desculpem os envolvidos, mas se tudo isso não tivesse acontecido, hoje eu não poderia apreciar a vista esplendorosa desse lugar. Afinal, para tão chique como prometido, eu não ia conseguir pagar 1 diária se quer,não é? rs

1239728111026_bigPhoto_1

 

Atualmente

De uns tempos para cá, posso arriscar dizer este ano, o Esqueleto caiu no gosto da galera, que muito tem ido lá apreciar a vista e fazer fotos maneiras. Porém já era usado a muito tempo para práticas de rapel.

Pode-se dizer que são 16 andares, onde o último e penúltimo andar seriam o “telhado”.

Como eu já disse, a vista é S E N S A C I O N A L, pude observar um ângulo da Pedra da Gávea que nunca tinha visto antes. Além de uma visão ampla do mar de São Conrado.

Vale muito a pena conhecer!

O nível da subida é fácil. Se está acostumado à andar de elevador e não se sente preparado para tantos lances de escada, pode começar a subir e descer os andares do seu prédio ou do vizinho, caso você more em casa rs.  No final a recompensa será grandiosa.

12994457_1010664155690578_56058344440204209_n
Créditos Fernando Duarte

 

Como Chegar

Estrada das Canoas, 2299. São Conrado. Rio de Janeiro – RJ

Quando peguei o endereço, logo pensei que já tinha passado por ali, já que tantas vezes fui à Pedra Bonita, mas como poderia passar despercebido um lugar desses?

Pois é, o waze te leva ao ponto certo, porém o esqueleto fica no meio da mata e aí dá para passar despercebido. Chegando ao local, é fácil achar, o caminho dentre a mata é bem aberto e curto.

Pode-se pegar a Estrada das Canoas por São Conrado ou pelo Alto da Boa Vista.

Existem linhas de ônibus que passam pela Estrada.

DSC_0779DSC_0778

Dicas

Ir de dia (para que o Sol favoreça suas fotos)

Água,

Alimentos leves,

Protetor Solar,

Repelente,

Sapato fechado (haviam pessoas de chinelo, mas o “hotel” está em pedaços, muitos buracos, tijolos, cacos de vidro e de azulejos, melhor não arriscar né?)

E ainda dá para emendar na Trilha da Pedra da Gávea e uma passadinha no Mirante do Joá!

IMG-20160410-WA0026DSC_0782IMG-20160410-WA0019DSC_0803DSC_0813

 

Gostou do passeio de hoje?

Já esteve por lá? Deixa um comentário contando pra gente!

Quer me acompanhar em tempo real? Segue @raquelsoule

 

Trilha Mirante do Caeté – Prainha Rio de Janeiro

2-1

O parque

O Parque Natural Municipal da Prainha está situado em frente à Prainha e é muito bem estruturado, composto por banheiros, ducha, bebedouro, parquinho para crianças, bastante área verde, podendo, quem sabe, realizar piquenique.

Foi criado à pedido dos surfistas e banhistas na intenção de que não houvesse a construção de condomínios e hotelaria na região.

DSC_0586

A Trilha

Nível: fácil
Tempo: no máximo 30 minutos

Aproximadamente 800 metros

É bem tranquila, sendo mais íngreme perto do fim. Durante a trilha é comum aparecer animais silvestres. Lembre-se que não se deve alimentar os animais.

prainha18

Ao final, o prêmio. Um lindo mirante de madeira com uma vista sensacional. Onde pode-se ver à esquerda  a Pedra da Gávea, praia da Barra, Reserva, Recreio e praia da Macumba e à direita tem-se o mar de Grumari/Guaratiba.

O ideal é chegar cedinho, já que depois de curtir o visual, nada melhor que dar um mergulho na praia, não é mesmo?

DSC_0610-01

 

Dicas

Protetor solar,

Repelente,

Tênis,

Alimentos leves,

Água,

Respeito à natureza.

 

Onde

Avenida Estado da Guanabara, s/nº – Estrada para Grumari
Horário de visitação do parque: 8 às 17hs (até às 18hs no verão)
Como chegar

A melhor opção é carro, pois não passa ônibus na estrada para Grumari.

Joga no waze que dá certo!

De ônibus é necessário ir até o Recreio e que passe no Pontal, onde tem que descer e seguir para Estrada que segue para Grumari. Na dúvida, se informa nos quiosques que não tem erro.

DSC_0597-01

 

 

5119311E aí gostaram? Já estiveram por lá? Conta para gente como foi!

Quer saber mais em tempo real?

Segue @raquelsoule

 

PS: Desculpem-me a ausência, mas por conta da greve a universidade estava uma correria.

 

Trilha Cachoeira do Horto e Vista Chinesa

Dá Play e vem comigo!

Vista Chinesa

Em estilo chinês, é um dos mirantes mais importantes do Rio permitindo uma vista linda da nossa cidade.

Localizada no Alto da Boa Vista, dentro da Floresta da Tijuca, foi edificada entre 1902 – 1906.

amanhecer-na-vista-chinesa.1

De lá pode-se avistar o Cristo Redentor, Baía de Guanabara, Pão de Açúcar, Lagoa Rodrigo de Freitas, praias de Ipanema e Leblon, além do Morro Dois Irmãos. 

Vale cada passo para quem chegou andando, cada centavo para quem foi de táxi ou que gastou com o combustível do próprio carro.

Obs: Não passam ônibus por lá.

800px-Vista_chinesa
A vista privilegiada

Curiosidades

O nome se deve aos agricultores chineses trazidos para o Rio no século XIX

Esses agricultores se estabeleceram, inicialmente, nas encostas da mata atrás do Jd. Botânico.

Em 1814 o chá foi plantado em vasta área da Ilha do Governador, Fazenda Santa Cruz e no atual Jardim Botânico do Rio de Janeiro, tendo Dom João contratado os colonos chineses a fim de ensinarem o plantio e preparação do chá. Muitos deles, entretanto, abandonaram as plantações e passaram a ser vendedores ambulantes.

Cartão postal de 1911
Cartão postal de 1911

Como chegar

Para quem vem do Jardim Botânico, deve-se subir a Rua Pacheco Leão até quase o final, então subir pela Estrada Dona Castorina que também levará até a Vista Chinesa, que fica ao final desta estrada.

Para quem vem da Tijuca, deve-se subir todo o Alto da Boa Vista, atenção ao Corpo de Bombeiros, logo a baixo terá uma placa indicando a Vista Chinesa com entrada à esquerda. Segue-se por essa estrada até encontrar uma cancela com placa do Parque Nacional da Tijuca, mais a frente tem a Mesa do Imperador (vale uma parada), segue-se toda a via até dar de frente com a Vista Chinesa

Estrada da Vista Chinesa, – Alto da Boa Vista

PS: Waze funciona né

cachoeiradohorto

Cachoeira do Horto

Para quem veio da Tijuca, descendo a estrada da Vista Chinesa sentindo Jd. Botânico terá logo à esquerda uma entradinha que leva a um poço inicial (tem nome mas não estou lembrando) e uma pequena trilha que leva à Cachoeira do Chuveiro, mais conhecida como Cachoeira do Horto.

10974715_407134389461322_1913831443923056625_o
Córrego na parte de baixo

A trilha tem início bem atrás de uma placa, no momento deteriorada, que dá indicações sobre a trilha.

Nível: leve a moderado

Duração: 30 min (ida e volta)

Apesar do tempo de duração ser bem pequeno, a subida é bastante íngreme com possíveis partes escorregadias dentre galhos e raízes.

Não se engane, iniciantes podem se assustar, existem dois pontos desta trilha que exigem cautela e um pouco mais de preparo físico. Em uma delas é necessário se segurar em correntes e escalaminhar por uma pedra íngreme e em outra parte é preciso escalar umas pedras segurando-se em raízes.

Cuidado com as raízes soltas, verifique que estejam realmente firmes!

Passada a sofrência da escalada logo se chega ao pote de ouro: a  famosa cachoeira do Horto.

Há um ano atrás quando fomos lá próximo ao dia das crianças
Há um ano atrás quando fomos lá próximo ao dia das crianças

Dicas:

Vá de tênis

Leve água e alimentos leves

Leve uma toalha ou canga

Não grite, isso assusta e afasta os animais de seu habitat natural.

2353

Já esteve por lá? Deixa um comentário contando pra gente 😉

Quer saber mais de mim em tempo real?
Me acompanha no Instagram: @raquelsoule

Trilha Pedra do Telégrafo. Vem beirar o “precipício” sem medo!

DSC_1013_1

Aquela famosa trilha que te leva à uma pedra que parece beirar um precipício rendendo ótimos cliques 😀

Curiosidades

Batizado pelos moradores da região, o nome se deve ao fato de ter sido habitado por uma estação militar de comunicação na segunda guerra mundial. Mas, na verdade, a pedra do telégrafo é a que possui a bandeira do Brasil. E a famosa pedra que dá sensação de precipício é a pedra do cavalo.

A trilha
Altitude: 354 metros
Nível: fácil – moderado
De 30 – 40 minutos de subida (sem descanso)
Existe mais de um caminho para começar a trilha e em todos eles é preciso enfrentar grandes ladeiras. A trilha tradicional começa na Praia Grande, de onde se pega o Caminho dos Pescadores. Outra opção é subir perto da antiga ponte que leva à Restinga da Marambaia, de uso exclusivo do Exército. Apesar de íngreme em alguns momentos, não há obstáculos ou riscos na trilha.
pedra-do-telc3a9grafo1

Como chegar

De carro é bem fácil, tendo como referência a praia da Barra ou Recreio, siga em direção à Prainha, suba até Grumari e siga sempre em frente sentido Guaratiba. Depois que passar pelo CaEx (estação militar da Reserva da Marambaia) você estará chegando ao seu destino. A partir daí é só pedir informação e subir à direita em uma das ruas que dá acesso ao alto. Existem estacionamentos e a seguir segue a trilha a pé.
Já ouvi falar sobre moto-taxis que levam até 1/3 da trilha e cobram 7 reais.
Transporte público: Pegue o BRT expresso Pingo d’água no terminal Alvorada e desça na estação Ilha de Guaratiba.  Chegando lá, atravesse o trevo e pegue o ônibus da linha 867 até Barra de Guaratiba. Desça no ponto depois do quartel do exército.
OBS: É sempre bom usar Waze ou GPS, eles irão indicar o caminho correto até Guaratiba, porém para subir até o mais perto da trilha é bom pedir informação aos moradores.
pedra-do-telegrafo
Meus olhos
Não achei a trilha tão fácil assim, na verdade, pra subir foi bem tranquilo. Começamos a trilha às 8:00 da manhã de uma segunda feira. Chegamos na pedra por volta de 8:30.
Gosto muito de trilhas, paisagens e, sinceramente, não achei essa uma das trilhas mais legais nem com a paisagem mais bonita. Porém, rende fotos bem legais.
Como fui segunda feira não tinha quase ninguém, não precisamos esperar em fila pra tirar foto e ficamos lá sozinhas, já que ao chegarmos tinham dois grupos indo embora.
Pra descer foi mais complicado, saímos de lá 9:35, ao iniciarmos a trilha de volta encontramos moradores com cachorros, um Pit Bull, um Rottweiler e um de porte pequeno estilo Pinscher/Fox paulistinha. Uma de minhas amigas morre de medo de cachorro e se assustou, ainda mais que o Pit Bull estava sem focinheira. Os caras não gostaram muito da nossa reação e decidiram descer antes de nós, ficamos esperando por uns 20 minutos.
Começamos a descer e foi mais difícil que subir, por duas vezes tivemos que parar por causa dos cachorros. Em fim, passamos deles, porém nos perdemos.  A trilha não é bem demarcada e passamos direto de uma entrada à esquerda.
Devido à isso, descemos muito além do que devíamos, já que uma de minhas amigas jurava estar no caminho certo, até que conseguimos convence-la de que estávamos no caminho errado.
Por fim, voltamos até a entrada certa e chegamos ao carro 11:20, ou seja, perdemos muito tempo na descida, além de termos nos cansado bem mais que na subida.
DSC_1062_1
Dica amiga
Use roupas confortáveis e tênis apropriado
Não esqueça de levar água e um lanchinho leve
Repelente e protetor são indispensáveis
Óculos de sol também é bem vindo
Estenda o passeio, Guaratiba tem outros lugares também, dá pra curtir um SUP e almoçar em algum restaurante da região.

 IMG-20150724-WA0028

Já foi lá? Então deixa um comentário contando como foi ;D
Gostou desse post? Quer me acompanhar em tempo real?
Então me segue no Instagram: @raquelsoule

Trilha na Lagoa – Mirante do Sacopã. Vamos?

1439006200934

Nível: baixo, 134 metros

Duração: 20 minutos

Dá o play e vem comigo:

Ah! Se inscreve lá no canal 😉

Em frente à Lagoa Rodrigo de Freitas existe o Parque da Catacumba que fica à encosta do Morro dos Cabritos. O parque conta com diferentes atividades ao ar livre, dentre essas se tem a trilha para o Mirante do Sacopã.

A trilha leva a um dos pontos mais altos do morro, permitindo uma vista única e diferente do comum da Lagoa e adjacências.
Vale à pena ir a qualquer hora do dia, mas contemplar o por do sol lá de cima é algo arrebatador.

blog4 blog5

DSC_1319

Curiosidades (fonte: e-trilhas):

Caminho da Saudade

A trilha que leva ao Pico do Sacopã é parte de um caminho que ligava a Lagoa Rodrigo de Freitas, antigamente conhecida como Lagoa de Sacopenapã, a Copacabana e Ipanema. O caminho, que tem os primeiros registros datando de 1753, circundava a lagoa e subia até o Alto das Catacumbas, para descer em uma pequena baía não mais existente, entre os morros dos Cabritos e Cantagalo. A partir dali, se dividia em duas trilhas: o Caminho do Cantagalo para Copacabana e a trilha dos Caniços para Ipanema.

As Catacumbas

Relatos antigos falam em um cemitério indígena nas encostas da Sacopã, é possível que fossem resquicios de um Sambaqui, estruturas construídas por caçadores coletores pré-históricos existentes em boa parte do litoral brasileiro. Nunca foram encontrados vestígios, mas ainda assim o Parque Marcos Tamoyo ainda é mais conhecido como Parque da Catacumba.

Aterros sucessivos

A Lagoa Rodrigo de Freitas já chegou a ter quase o dobro de seu tamanho atual. Além de reduzir o perímetro da lagoa, os aterros serviram para criar as ilhas artificiais onde atualmente estão os clubes Piraquê e Caiçaras e cobrir o brejo onde foi construído o Jóquei Clube. 

 Meu olhar

Trilha bem tranquila com fácil acesso.

O mirante é um espaço pequeno, portanto, em dias cheios deve ficar complicada a disputa por clicks legais.

O caminho até o topo é basicamente de subida com algumas partes bem ingrimes, porém nada que impeça chegar até o fim. A parte mais complicadinha é uma escada feita de pedras, logo, não é plana.

Não encontramos animais, apenas algumas borboletas.

Começamos a subir por volta das 17 horas, o que já está errado, visto que o parque fecha as 17. Porém, não encontramos os seguranças do parque lá para no auxiliar e como o portão estava aberto fomos mesmo assim, ainda estava claro.
Em mais ou menos 20 minutos chegamos ao topo, fizemos alguns clicks e descemos logo em seguida, pois já começava à escurecer.
Ao chegarmos nos portões, estes se encontravam trancados.

E agora?

Procura daqui e dali e já estávamos pensando em pular o portão quando encontramos a guardete, Dona Leda (eu acho).  Óbvio que ela nos deu uma chamada, porém a culpa não é exclusivamente nossa já que o portão se encontrava aberto e não havia ninguém ali para nos dar informação.

Ao sairmos, aí sim, avistamos a seguinte placa em um portão que não é o principal:

DSC_1334

Por ter nível baixo pode ser realizada com crianças.
O por do sol é realmente privilegiado, permitindo experimentar de um momento único.

Valeu super a pena tomar uma chamada, mas fica a dica para vocês não passarem pela mesma situação!

blog3 blog2

Curtiu?
Quer me acompanhar em tempo real?

Então me segue lá no Instagram  @raquelsoule